sábado, setembro 12, 2015

O CURUPIRA E O POBRE.

    Por todo este imenso Brasil, onde se falava o tupi e o guarani, era conhecido o Curupira, este ente fantástico, que para nós hoje, é apresentado como um gênio protetor das matas e dos animais, principalmente das fêmeas prenhas. No Amazonas é conhecido como um índio tapuio que imita as vozes dos quadrúpedes e das aves, assim logrando o caçador. Nas imagens retratadas por Jorge Colaço no Mirante da Granja Guarani localizada na Pousada Tere Parque, vou contar esta linda historia...


    Conta-se, que não se sabe como, um casal vivia em extrema pobreza. Quando o homem ia à caça de dia, nada encontrava e quando ia à noite, topava só com quadrúpedes. Uma noite quando andava a caça, ouviu um ruído no mato e ficou a espreita, quando repentinamente aparece o Curupira. Ao contemplá-lo, viu o caçador que tinha cabelo longo, os pés virados pra trás e uma vara na mão.
- "Que estás fazendo aqui nesta noite tão escura? Tens coragem de ousar penetrar meu mato?". Dizem que o Curupíra falava assim, zangado e levantando a vara contra o caçador.
- "Estou a procura de caça", falou ele, "sou um homem pobre e possuo mulher para alimentar. Quando não encontro caça de dia, caço a noite."
- "Meu camarada, posso ajudar-te", falou o Curupira compadecido. "Tudo quanto quiseres, posso dar-te. Tens fumo?", continuou ele.
O caçador tirou logo o fumo de sua algibeira, cortou um pedaço e lhe alcançou.
Como fazia muito frio aquela noite, acendeu o Corupira um fogo, assentou-se, encheu seu cachimbo de tabaco, pôs em cima uma brasa e passou a fumar o tabaco que lhe dera o homem. Depois entretinha-se em conversar com ele.
-" Meu amigo", falou, "se cada noite me trouxeres tabaco, guardarei para ti a caça que desejares. Entretanto, não digas nada a tua mulher. Não quero que ela saiba, pois pode tornar-se ciumenta." Continuou a falar o resto da noite até o despontar da aurora, quando despediu-se.
Sendo assim, cada noite seguinte, quando a mulher estava dormindo profundamente, ia o pobre ao mato à caça e levava o fumo ao Curupira. Chegando lá, já o achava sentado perto de uma fogueira e a caça estava a seu lado.
-"Eis aqui a caça para ti. Ah! Ah! Dá-me o fumo!"
Mas a mulher do caçador, começou a ficar cismada com tanta caça.
- "Onde caça meu marido saindo a noite? Onde achará caça neste adiantado da hora?" Pensava ela, e então decide espreitá-lo.
Quando o seu marido foi outra vez à caça de noite, fingiu dormir, mas estava acordada. Tendo ele saído, seguiu-o.
No lugar, onde o esperava, encontrou o Curupira que logo lhe disse:
- "Meu amigo, agora termina nosso contrato, que devias encobrir tua mulher. E, por mais que o queiras ocultar, ela já de tudo sabe. Pensas que ela esteja longe daqui? Julgas que esteja em casa? Lá está ela. Tu não tens nada com aquilo que ela vai sofrer". O Curupira então, deu um pulo e lançou-se contra a mulher e a matou. O homem ficou viúvo, enloqueceu e fugiu.
FOTOS MAGAL
http://www.tereparque.com.br/site/

Um comentário:

  1. Paulo Jordão12.9.15

    Muito bom mesmo.... Parabéns Leo...

    ResponderExcluir