quinta-feira, agosto 22, 2013

O PALÁCIO DOS GUINLE QUE NÃO SAIU DO PAPEL EM TERESÓPOLIS

A Amiga Louise Turiel, que já havia nos presenteado com o relato sobre a Casa da Porteira, ao lado do Portal de Entrada da Granja Guarani, nos brindou com mais dois registros importantes para o nosso bairro e para o município. Um deles é esta foto de um primoroso quadro que retrata o nosso Carramanchão,o Quiosque das Lendas ou Mirante da Granja Guarani. O quadro encontra-se em um restaurante na Cascata Guarani, perto do Hospital São José. Ainda não descobrimos o autor da obra, mas, ela retrata com rara precisão as cores forte do renomado Jorge Colaço nos azulejos do Carramanchão, uma marca registrada do nosso mirante. 
A amiga Louise Turiel nos enviou também um desenho (planta) de como seria a casa da Família Guinle, na em nossa cidade, não se sabe se na Granja Guarani ou outro local onde Carlos Guinle possuía vastas terras. Na verdade, trata-se de um esplendoroso palácio projetado pelo arquiteto francês Victor Dubrugas. Nossa amiga pinçou esta obra dos arquivos do Banco Itaú. Nele, há um relato sobre os traços do castelo, que não foi construído, em relação à outras obras do renomado arquiteto. Diz o relato : “Elementos e soluções formais testadas em seus projetos neogóticos e art nouveau são retomados, como as chaminés destacadas, as varandas, balcões e frontões curvos, a diferença ficando por conta da ornamentação com pináculos barrocos, azulejos, rótulas, largos beirais de madeira, presentes também nas residências Saturnino de Brito, 1916, Coronel Bento de Carvalho, 1916, e Luiz Franco do Amaral, 1915, em Santos, e a Residência Arnaldo Guinle, s.d., em Teresópolis, no Rio de Janeiro." . Dubrugas nasceu em 1868, na cidade de Sarthe (França) e morreu em Teresópolis, em 1933. Pesquisando sua obra, vemos que ele executou projetos importantes também no Rio de Janeiro (capital), na capital e interior de São Paulo e ainda no Uruguai. Na passagem por São Paulo ele lecionou na Escola Politécnica, ainda hoje uma das mais badaladas do estado e trabalhou no escritório do renomado Ramos de Azevedo, quem sabe o mais paulistano de todos os arquitetos. Entre outros trabalhos, o levantamento mostra que, em Teresópolis, ele projetou também uma “Capela Nova” e o Cinema Hygino. Infelizmente não foi possível apurar se também esses projetos não saíram do papel, nem a data em que foram elaborados. Se algum amigo arquiteto ou historiador quiser aprofundar a pesquisa, ficaremos grato por novas revelações.

Cesar Rodrigues
Jornalista-Colaborador da AMAGG

2 comentários:

  1. Arthur22.8.13

    Sensacional ,parabéns por buscar essa historia maravilhosa dos nossos antepassados

    ResponderExcluir
  2. Marcio22.8.13

    Que maravilha!!

    ResponderExcluir