sábado, janeiro 19, 2013

Calçadas intransitáveis prejudicam dia-a-dia de moradores da Granja Guarani!

"PERIGO”! As pessoas que caminham no trexo da rua Quirino Simoes  Granja Guarani estão encontrando dificuldades, em virtude das calçadas que estão cheias de mato,e lamas devidos aos bueiros entupidos  obrigando a caminhar na estrada com perigo de ser atropeladas. O descaso, a irresponsabilidade e o mau exemplo vem das próprias autoridades municipais.
“Toda sorte de empecilhos para as tais caminhadas matinais que os médicos tanto recomendam a gente fica obrigado a andar no meio-fio. Não sei o que é pior.
Ter excesso de peso ou morrer atropelada!” Disse a moradora Isadora Castelo Branco.  
Várias calçadas estão inacessíveis, principalmente aos idosos, deficientes e crianças.
Vale lembrar as palavras do Presidente  da AMAGG Armindo Coelho – , durante a ultima reunião da AMAGG que discutiu os direitos das pessoas com deficiência: “O artigo 5º da Constituição federal estabelece o que se convencionou chamar de direito de ir e vir de todos os cidadãos brasileiros. Ou seja, qualquer pessoa, livre ou não de deficiência ou mobilidade reduzida, deve ter o direito de poder chegar facilmente a qualquer lugar".

No caso de acidente nas calçadas, quando as vítimas pedem ressarcimento, segundo publicações no Diário Oficial, o Tribunal de Justiça tem confirmado as condenações das Prefeituras por danos materiais e danos morais, em várias cidades brasileiras. Alguns juízes afirmam que: “as irregularidades das calçadas deve ser atribuída aos Municípios por sua omissão quanto à fiscalização e conservação do passeio público, posto que devessem conservá-lo, exigir que fosse conservado ou, no mínimo, sinalizar os defeitos no pavimento”.

Sugerimos aos políticos de Teresópolis e órgãos responsáveis pelo direito de ir e vir da população da Granja Guarani, que se preocupem com a acessibilidade das calçadas, pois como está, o descaso e a falta de fiscalização,  continuam prejudicando os cidadãos que pagam impostos e que não veem retorno do dinheiro aplicado. Disse  Lercy de Oliveira Branco Diretor da AMAGG.





 FOTOS :Lercy de Oliveira Branco Diretor da AMAGG

7 comentários:

  1. Anônimo19.1.13

    Acho que todas as vias publicas deveriam ser de responsabilidade do poder publico. Sob o ponto de vista do usuário, quer seja automotivo pedestre, ele merece uma via publica de qualidade independentemente da situacao funanceira do dono do imovel pois o único responsável por disponibilizar equipamentos públicos é o estado, nesse caso a prefeitura que deve contruir o passseio publico em contrapartida do IPTU. Para manter a uniformidade no passeio publico tambem é mandatário que a execução seja feita por uma única entidade por toda a cidade. Impossível garantir uniformidade quando construídas por cada proprietário de imóvel.

    ResponderExcluir
  2. Anônimo19.1.13

    David Fernandez Perruc Só da Granja Guarani? Tenta andar aqui no Bom Retiro.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo19.1.13

    Cabe a cada cidadão procurar seus direitos, quando se sentir lesado, bem como cobrar de seus representantes legislativos ações que entendam ser justas e que possam beneficiar a maioria da sociedade, incluindo-se aqui idosos, crianças, deficientes físicos e pessoas com mobilidade reduzida. Melhorias e mudanças são alcançadas quando cada um faz sua parte, ao cobrar e fiscalizar as ações de seus representantes legislativos.

    ResponderExcluir
  4. MAGDA19.1.13

    Ola AMAGG,
    Infelizmente parece que algumas pessoas tendem a achar que leis e regras só valem para os outros. Não se pode usar dois pesos duas medidas. Quando se vive em sociedade é preciso respeitar o direito do outro. De qualquer forma o confronto não é o melhor caminho. As vezes uma boa dose de bom humor e o uso de formas alternativas para solucionar o conflito podem ser muito mais eficazes e ainda render uma parceria que ajude na conscientização de outras pessoas.
    Boa sorte
    Magda

    ResponderExcluir
  5. Anônimo19.1.13

    A prevalecer seu entendimento, se um carro estourasse um pneu em um buraco na rua em frente a minha casa, causado pela falta de manutenção da via, a culpa seria minha. É exatamente isso que alguns administradores públicos irresponsáveis gostariam que acontecesse. Se tais administradores assumissem sua responsabilidade, toda cidade teria um padrão em suas calçadas, como já acontecesse, em linhas gerais, em relação às ruas, avenidas etc. (você não vê ruas e avenidas pavimentadas com materiais diferentes ao longo dos imóveis que as circundam). Portanto, se alguém se machucar em alguma calçada mal conservada, a responsabilidade é do poder público e não do proprietário do imóvel. Exercer a cidadania é fazer o poder público cumprir seu dever e aplicar onde é necessário os impostos que pagamos.

    ResponderExcluir
  6. Plinio Tourinho19.1.13

    Ainda que seja de Responsabilidade do proprietário do terreno, cabe ao Poder Público fiscalizar e nem isto consegue fazer.

    ResponderExcluir
  7. Raphael Faria19.1.13

    É muito simples resolver o problema das calçadas de Teresópolis. Um projetinho de lei atualizando o código de posturas e o código tributário. Em síntese, a responsabilidade continua sendo do proprietário do imóvel, que quando não tivesse condições para bancar a sua reforma ou construção, poderia ter o serviço executado pela prefeitura e descontado em seu IPTU.

    ResponderExcluir