sexta-feira, novembro 09, 2012

Diretor David Miller da AMAGG participa das Quartas Ambientais.

Quartas Ambientais apresenta Programa de mapeamento de risco da UFRJ

Com o tema ‘Mapeamento de risco e ordenamento da paisagem na Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro’, aconteceu nesta quarta, 7, no Teatro Municipal, localizado no 2º piso da Prefeitura, a edição mensal do projeto Quartas Ambientais. A professora Maria Naise de Oliveira Peixoto, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), apresentou os projetos que integram o programa e falou sobre o trabalho feito pelos pesquisadores até o momento em Teresópolis.

“Estamos finalizando um amplo levantamento de informações para compor a nossa base de dados. Essas informações incluem mapas topográficos de áreas de risco e dados socioeconômicos, ambientais, entre outros. Isso vai nos ajudar a traçar ações que possam ser implementadas tanto na área urbana da cidade quanto na zona rural”, explicou Maria Naise, coordenadora do programa, acrescentando que os pesquisadores já passaram pelo 
Campo Grande e no início do ano devem seguir para Vieira, no 3º Distrito, locais escolhidos como áreas piloto para a implantação de projetos conforme a demanda dos moradores.

Entre as etapas do programa estão a análise de fatores controladores do processo catastrófico; a elaboração de mapas topográficos; avaliação de instrumentos de ordenamento territorial; recuperação e manejo de plantio florestal; e sensibilização das comunidades.


Mapeamento e ordenamento

O programa de mapeamento de áreas de risco e ordenamento da paisagem na Região Serrana é desenvolvido pela UFRJ, com o apoio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Defesa Civil, Ministério Público Estadual e do Unifeso, e abrange cinco projetos voltados à avaliação das áreas de risco e ao planejamento urbano da Região Serrana.

A iniciativa leva em conta as consequências adversas de catástrofes que a região vem enfrentando a partir de eventos climáticos extremos, como o ocorrido em janeiro de 2011. Os projetos envolvem equipes do Departamento de Geografia (IGEO), do Programa de Pós-graduação em Urbanismo da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (PROURB-FAU) e do UFRJ Mar-Instituto Politécnico.

As ações propostas deverão oferecer subsídios para indicar e auxiliar na implementação de ferramentas, políticas públicas e capacitação de gestores, técnicos e sociedade civil, incentivando a integração entre o ensino e a pesquisa acadêmica com as demandas da sociedade, e estimulando a participação local no direcionamento das políticas voltadas ao uso adequado dos recursos e melhoria da qualidade de vida.

Um dos objetivos do programa é a implantação de estufas para o cultivo de mudas para reflorestamento no município. Esse projeto vai contar com cursos de capacitação para os moradores interessados neste tipo de trabalho.

Um comentário:

  1. ARMINDO COELHO DIRETOR DA AMAGG20.11.12

    Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir