sexta-feira, setembro 21, 2012

AMAGG Participa da reunião Conselho Municipal de Saúde de Teresópolis

  O Conselho Municipal de Saúde de Teresópolis aprovou a prestação de contas - forma como os recursos foram empregados e das fontes geradoras – da Secretaria Municipal de Saúde do ano de 2011, em reunião ordinária realizada nesta quinta-feira, 20. O encontro aconteceu no auditório da Secretaria de Saúde, na Tijuca, e reuniu 25 conselheiros titulares e suplentes.

O balancete foi apresentado pelo presidente do Conselho Municipal de Saúde, Valdir Paulino, e os esclarecimentos das dúvidas, levantadas pelo Conselho, foram feitos pelo Secretário de Saúde Carlos Otávio Sant’Anna. “Fizemos uma apresentação detalhada e transparente das contas da Saúde. Foi verificado que os recursos destinados ao Sistema Único de Saúde (SUS) foram utilizados em ações dentro do SUS. Isso mostra que o município está fazendo uma gestão transparente, e que tem diálogo com o Conselho Municipal de Saúde. As ressalvas e as sugestões apresentadas pelo Conselho serão avaliadas e, oportunamente, daremos as repostas com as devidas adequações, como solicita o Conselho”, disse Carlos Otávio.

Para Valdir Paulino, o Conselho vem prestando um importante e indispensável papel para o município. “O Conselho é um órgão fiscalizador que precisa trabalhar em parceria com a secretaria. Hoje, graças ao bom relacionamento com a gestão atual, nós conseguimos acompanhar todos os processos e analisar sua administração”, avaliou.

Após os debates, as contas foram colocadas em votação, sendo aprovadas. No final da assembleia, o secretário ainda informou sobre o projeto Carretinha Mohan, que nos dias 22 e 23 de outubro iniciará um programa de atividades e informações sobre hanseníase, na Praça da Matriz de Santa Teresa.

O Conselho se reúne novamente dia 18 de outubro, às 19h, na Secretária Municipal de Saúde, situada à Rua Roberto Rosa, na Tijuca.

ARMINDO COELHO DIRETOR DA AMAGG21.9.12

Fiquei muito indignado com que assisti nesta quinta feira em mais uma reunião do CONSELHO MUNICIPAL DE SAUDE DE TERESOPOLIS, por quase vinte votos vi sendo aprovado as contas da saúde da gestão JORGE MARIO, mesmo após várias exposição feita pelo conselheiro Renato Mello e a primeira comissão ter dado um relatório de não aprovação, na qual foi desfeita e se formou outra, que mesmo assim ficou dividida tres a favor da aprovação e dois contra. Agora sei porque quando eu era conselheiro me chamavam de polêmico, corre dentro do próprio conselho a noticia de super faturamento de preços de remédio, nesta epoca. Eu se pertencesse há esta comissão me desbruçaria dia e noite, não só em processo, mas visitaria todos os almoxarifados, pediria o livro de entradas e saidas de remédios e insumos na época, levantaria os preços, perguntava a pessoas que tem conhecimentos do assunto mesmo de outros municipios, depois de totalmente convencido ou não, daria meu parecer como fiz com as contas de 2005, onde a comissão deixou dúvidas, eu fiz uma palestra de não aprovação, onde fui acompanhado pela plenária, acredito que estes conselheiros não sabem ou esquecerão que este conselho é DELIBERATIVO, e atitudes erradas podem serem responsabilizados pelo, TCE,TCU ou MINISTÉRIO PÚBLICO, sai da reunião angustiado com que vi e ouvi.

Um comentário:

  1. ARMINDO COELHO DIRETOR DA AMAGG21.9.12

    Fiquei muito indignado com que assisti nesta quinta feira em mais uma reunião do CONSELHO MUNICIPAL DE SAUDE DE TERESOPOLIS, por quase vinte votos vi sendo aprovado as contas da saúde da gestão JORGE MARIO, mesmo após várias exposição feita pelo conselheiro Renato Mello e a primeira comissão ter dado um relatório de não aprovação, na qual foi desfeita e se formou outra, que mesmo assim ficou dividida tres a favor da aprovação e dois contra. Agora sei porque quando eu era conselheiro me chamavam de polêmico, corre dentro do próprio conselho a noticia de super faturamento de preços de remédio, nesta epoca. Eu se pertencesse há esta comissão me desbruçaria dia e noite, não só em processo, mas visitaria todos os almoxarifados, pediria o livro de entradas e saidas de remédios e insumos na época, levantaria os preços, perguntava a pessoas que tem conhecimentos do assunto mesmo de outros municipios, depois de totalmente convencido ou não, daria meu parecer como fiz com as contas de 2005, onde a comissão deixou dúvidas, eu fiz uma palestra de não aprovação, onde fui acompanhado pela plenária, acredito que estes conselheiros não sabem ou esquecerão que este conselho é DELIBERATIVO, e atitudes erradas podem serem responsabilizados pelo, TCE,TCU ou MINISTÉRIO PÚBLICO, sai da reunião angustiado com que vi e ouvi.

    ResponderExcluir